Merluza do alasca frita ao molho de provolone

Como diria Bob Esponja – Guery, melhor chamar um astrônomo, por que esse molho ficou coisa de outro mundo!

Nós na verdade iriamos fazer essa merluza de uma forma diferente, ela iria para a chapa grelhar, porém uma coisa descobrimos, a merluza do alasca é muito delicada, ela aceita fritura fácil, porém na grelha não recomendo, ela vai desmanchar toda e soltar muita água.

Então, basicamente ficou de molho em sal, pimenta do reino e limão, coincidentemente esse mesmo tempero você usa para fazer um frango frito, você vai ter uma surpresa maravilhosa.

Fritamos depois com um pouquinho de manteiga para encorpar o sabor, é bom colocar a manteiga aos poucos pois como queima com muita facilidade, caso ocorra, o melhor é limpar a frigideira antes de colocar mais manteiga e um novo pedaço de merluza para fritar.

O molho que a sensação, e o principal motivo pelo qual a merluza insiste em aparecer neste blog começou com um simples bechamel, que a a base para o molho branco tradicional.

Vocês perceberam que não sou bom de colocar quantidades, isso é mais com minha amada. Eu conto apenas como o negócio funciona, mas no olho eu acerto, nas medidas fico perdido.

Primeiro eu fervo o leite com um pedaço de cebola com cravos enfiados nela e uma folha de louro também, o mais difícil e conseguir tirar a noz moscada ao final, pois a cebola com os cravos e o louro tá fácil né?

Frite na manteiga a farinha, a razão é tipo 1 colher de farinha para 1 colher de manteiga, a fritura é rápida, a farinha não pode queimar, muito menos a delicada manteiga, acrescente então o leite e mexa sem parar para evitar as pelotas, você chegará à perfeição quando conseguir fazer isso sem empelotar. Eu sou perfeito, fiz sem empelotar na minha primeira vez, nas outras vezes eu deixei empelotar só pra tirar uma onda. rs. Nestes casos em que empelotar, bata no liquidificador.

Ainda no fogo baixo, coloquei o tomate picadinho em cubinhos bem minusculos e o queijo provolone ralado que aos poucos foi fundindo com o bechamel.

E voilà. Salsinhas para decorar.

Eu não sei nem como explicar como esse molho ficou maravilhoso, o que sobrou do molho, depois foi usado para passar no pão na hora do lanche. Simplesmente divino.

Flávio

Merluza frita e o molho de provolone
478 Rua Rui Barbosa, Santo André - SP, 09080, Brazil

quer compartilhar a receita?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Deixe um comentário

Pesquisar

Assinar Blog por E-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

© 2019 Cozinha Sigel. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Cope House